O que gostarias de pesquisar?

TUBARÕES & RAIAS

Cerca de 100 milhões de tubarões e raias são capturados globalmente todos os anos, muitas vezes de forma acidental, em pescarias de todos os tipos. O comércio mundial à base de tubarões e raias movimenta mais de 4 mil milhões de dólares anualmente e envolve mais de 200 países. Portugal é o 2º país a nível mundial com maiores exportações de carne de tubarão e o 6º maior importador de carne de raia.

© Antonio Busiello / WWF-US

A sobrepesca e o comércio não regulado e pouco transparente são responsáveis pelo declínio das populações de tubarões e raias e pelo seu mau estado de conservação um pouco por todo o mundo. A perda de espécies contribui para a deterioração dos oceanos e é um sintoma claro de uma sobre-exploração marinha de larga escala. 
 

Das 1200 espécies de tubarões e raias conhecidas, atualmente mais de 36% estão ameaçadas, sendo este o segundo grupo, depois dos anfíbios, com mais espécies ameaçadas de extinção do planeta. Algumas espécies em particular como é o caso do tubarão anequim são muito vulneráveis à pesca excessiva.
 

Estamos a pescar e consumir mais produtos à base de tubarões e raias do que imaginamos, por todo o mundo. Na verdade, os tubarões e raias estão a migrar mais quando estão mortos do que enquanto estavam vivos. Para regular efetivamente esta rede altamente complexa e global de comércio de tubarões e raias é necessário conhecer a dimensão das rotas comerciais, as espécies envolvidas e os países de origem e de destino das várias partes de tubarões e raias bem como o seu tipo de processamento.

Há países como Portugal que atuam como reexportadores, estabelecendo pontes comerciais entre os grandes importadores e exportadores, facilitando os fluxos de produtos à base de tubarão e raia, e por isso são essenciais para a estrutura e estabilidade de toda a rede comercial. Desta forma, as medidas impostas nestes países terão uma influência significativa em toda a rede.

A carne e as barbatanas são os principais subprodutos à base de tubarões e raias, onde se registam as maiores quantidades transacionadas em valor e volume e para os quais há mais informação. O preço pode variar dependendo da espécie, produto e comerciante. O comércio global de carne de tubarão e raia em termos de valor é quase o dobro do que o das barbatanas, apesar do valor comercial das barbatanas ser muito mais elevado

CARNE

Desde 2000, o comércio aumentou mais de 40%5 em termos de volume transacionado, e são mais de 200 os países e territórios envolvidos. A Espanha é o maior exportador mundial, seguido de Portugal, e a Itália o maior importador. A UE é responsável por 22% do comércio da última década2, que globalmente foi avaliado em 2.6 mil milhões de USD2 . Itália paga o preço mais alto pela carne de tubarão (4 USD/kg)

BARBATANAS

Mais de metade das barbatanas do mundo vai para o sudeste asiático, sendo a China o maior importador mundial, principalmente a região de Hong Kong. Nas últimas décadas, os Estados-Membros da UE, principalmente Espanha - o maior exportador mundial de barbatanas -, somaram cerca de 28% das importações de Hong Kong e regiões adjacentes, e em 2020, apesar do decréscimo nas quantidades exportadas, o valor aumentou para 45%. Hong Kong paga o preço mais alto pelas barbatanas (30 USD/kg).

A rede global de comércio para a carne de raia é menos diversificada do que para carne de tubarão, sendo a Argentina, como exportador, e a Coreia do Sul, como importador, que dominam o mercado. Os Estados Unidos e o Brasil também são importantes fornecedores do mercado sul-coreano, que por sua vez exporta de volta para os EUA já sob a forma de raia processada. As exportações da Coreia do Sul para os EUA, embora não sejam tão elevadas, são importantes para a estrutura da rede. Comparativamente e apesar dos volumes transacionados pelos países da UE serem menores, a França, Espanha e Holanda são importantes intermediários para a estabilidade da rede global de carne de raia. 

Não estão disponíveis dados oficiais de barbatanas de raias, que, apesar de significativas e com valor comercial elevado, são designadas como “barbatana de tubarão”. Isto, aliado à existência de um TAC (total admissível de captura) não diferenciado para cada uma das espécies de Raja (cerca de 7 espécies diferentes em Portugal são geridas como se fossem uma só), não permite identificar quais as espécies que são comercializadas, tornando o comércio de produtos de raia ainda mais opaco do que o de tubarão.

Portugal tem aumentado o volume das suas importações de carne de raia, especialmente na última década e é agora o 6º maior importador em volume do ranking mundial, sendo que 95% das importações têm origem em Espanha.

 

 

A Espanha é o maior exportador mundial e a Itália o maior importador de carne de tubarão. Na última década, Espanha dominou o comércio global altamente complexo de carne de tubarão fresca e congelada, aparecendo entre os três principais países do mundo com maiores valores, volumes e número de parceiros comerciais. 

As rotas comerciais com os maiores volumes de carne de tubarão são do Uruguai para o Brasil; de Portugal para Espanha; de Espanha para Itália; de Portugal para o Brasil; e do Equador para o Peru. No entanto, as pontes comerciais mais importantes para a estabilidade da rede de carne de tubarão têm sido entre Japão, Portugal, Reino Unido e Espanha; Japão e Panamá; e China e Japão. A União Europeia estabeleceu-se como o principal fornecedor de carne de tubarão para os mercados do Sudeste e do Leste Asiático, sendo as suas próprias exportações e importações responsáveis por cerca de 22% do comércio global de carne de tubarão. 

Portugal contribui significativamente para o comércio global de carne de tubarão. Na última década é o país do mundo com maiores exportações de carne fresca e o 2º em carne congelada em termos de volume. Estabelece ligações comerciais com 95 países diferentes, sendo a Espanha, o país com o qual Portugal tem o maior volume de trocas comerciais.

 
Shark
© ANP|WWF
CONSUMO

Existe uma ampla variedade de aplicações das várias partes dos tubarões e raias, desde carne e barbatanas para a gastronomia e alimentação animal, aos órgãos, esqueleto e pele para produtos farmacêuticos e cosmética. Enquanto consumidores responsáveis devemos ter a certeza que o nosso consumo não está a pôr em causa a sobrevivência das espécies. Descarrega e consulta o nosso Guia para o consumidor e faz escolhas que evitem o consumo destas espécies, que são mais importantes vivas no oceano do que no nosso prato ou nos cremes hidratantes. 

GUIA DE CONSUMO

Alt text

RECOMENDAÇÕES PARA AS AUTORIDADES

Alt text

Transparência e Rastreabilidade

Para os países com importantes capturas de tubarões e raias e trocas comerciais destes animais, como é o caso de Portugal e Espanha, é necessário reforçar as medidas de proteção existentes e assumir um papel de liderança na conservação e recuperação destes animais.
Alt text

RECOMENDAÇÕES PARA OS CONSUMIDORES

Alt text

Pedir informação na venda

Os tubarões e as raias são vendidos sob nomes genéricos que não permitem identificar corretamente as espécies em causa. Os consumidores devem evitar comprar ou consumir qualquer produto à base, ou com componentes, de tubarão e raia.
WWF logo

Há 400 milhões de anos que os tubarões e raias desempenham papéis fundamentais no equilíbrio dos ecossistemas. Sabe mais no nosso relatório: GUARDIÕES DO OCEANO EM PERIGO
Portugal é o segundo país do mundo com mais capturas de tubarão anequim provenientes do Atlântico Norte depois de Espanha. Descobre mais no link: SAVING MAKO SHARK
Financiado por: